(VÍDEO) Ronaldo Fonseca defende controle de armas em discussão sobre porte

O deputado Ronaldo Fonseca (DF) refutou, na terça-feira (2), a ideia de conceder porte de arma de fogo a agentes públicos

02/03/2016 às 11:07:00 | 460 visualizações

O deputado Ronaldo Fonseca (DF) refutou, na terça-feira (2), a ideia de conceder porte de arma de fogo a agentes públicos. No parlatório, Ronaldo Fonseca pediu união aos deputados para que rejeitassem esse ponto da Medida Provisória 693/15, que concedia porte de arma para auditores da Receita Federal, auditores fiscais agropecuários e oficiais de justiça.

O artigo acabou sendo excluído em votação na mesma noite no Plenário Ulysses Guimarães, por 245 votos a 193, afetando todas as carreiras.

“Eu tenho uma admiração muito grande pelos oficiais de justiça, por seu trabalho. O oficial de justiça é aquele que faz o meio de campo entre as decisões judiciais e o cidadão brasileiro. Em algumas situações, ele tem o dever de encaminhar uma decisão judicial desfavorável a um cidadão que, muitas vezes, é até um cidadão perigoso”, disse Ronaldo Fonseca.

Mas, segundo o parlamentar, a ideia de entregar uma arma de fogo não resolve o problema intrínseco da insegurança desses servidores. “O que se está construindo aqui é essa ideia. E me preocupa muito que um cidadão brasileiro, que não seja policial militar, civil ou federal, tenha o porte de arma de fogo. O porte deve observar critérios bem estreitos”, argumentou Fonseca.

Armas ilegais

Ronaldo Fonseca foi incisivo ao defender o combate ao tráfico de armas ilegais como alternativa para a diminuição da violência no País.

“Estima-se que circulam no Brasil 17 milhões de armas de fogo sem controle estatal, sendo que cerca de 90% estão nas mãos de civis. Destas, 50% são ilícitas. Somos 2,8% da população mundial, mas respondemos por 13% dos homicídios por arma de fogo. A cada 13 minutos uma pessoa é fulminada com um tiro. Entre 1979 e 2003, morreram mais de meio milhão de pessoas a tiro”, afirmou Fonseca.

As mudanças seriam feitas no Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03), que já concede o porte de armas, inclusive fora do serviço, para algumas categorias do serviço público, como integrantes das forças policiais, das Forças Armadas, das guardas municipais e agentes operacionais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

 

Ronaldo Fonseca defende controle de armas em discussão sobre porteO deputado Ronaldo Fonseca (DF) refutou, na terça-feira (1), a ideia de conceder porte de arma de fogo a agentes públicos. No parlatório, Ronaldo Fonseca pediu união aos deputados para que rejeitassem esse ponto da Medida Provisória 693/15, que concedia porte de arma para auditores da Receita Federal, auditores fiscais agropecuários e oficiais de justiça. O artigo acabou sendo excluído em votação na mesma noite no Plenário Ulysses Guimarães, por 245 votos a 193, afetando todas as carreiras. http://www.prosnacamara.org.br/2016/noticia.php?noticia=988

Publicado por Liderança do PROS na Câmara Federal em Quarta, 2 de março de 2016

Redação PROS na Câmara

Sem tags