“Uso de vans no transporte escolar não está ameaçado”, diz Hugo Leal

O parlamentar, em audiência pública, explicou que a padronização a ser estabelecida irá se referir a questões técnicas e de segurança, não ao tipo de veículo.

01/06/2015 às 13:00:00 | 184 visualizações

Em audiência pública na Comissão de Viação e Transportes (CVT), que discutiu os problemas relacionados ao transporte escolar, realizada na quinta-feira (28), o deputado Hugo Leal   (PROS/RJ) tranquilizou os representantes da categoria. Segundo o parlamentar, a padronização dos veículos de transporte escolar não irá deixar de fora as vans, Kombis e similares. “Há uma clara confusão, pois quando se fala de padronização é no que se refere a questões técnicas e de segurança, não ao tipo de veículo”, frisou.

Segundo Hugo Leal, o trabalho precisa ser feito respeitando a realidade de cada região e dos veículos mais adequados a cada situação. De acordo com o presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan Yabiku, há mais um fator que contribui para a confusão e insegurança da categoria. “Segundo os padrões internacionais, as vans também recebem a denominação técnica de micro-ônibus. Ambos figuram no mesmo grupo de veículos. Portanto, no Brasil, quando se faz referência ao grupo de micro-ônibus as vans também estão incluídas”, esclareceu.

O representante do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), José Madia de Sousa, ressaltou, ainda, que no grupo de trabalho formado pelo FNDE, Inmetro e Denatran para discutir o tema do transporte escolar jamais houve definição de nenhum modelo de automóvel específico. Ainda segundo José Maria, a questão da regulamentação das questões de segurança é urgente. “Temos hoje cerca de 9 milhões de estudantes que usam transporte escolar no Brasil. Dentre estes mais de 1,2 milhões são transportados em veículos inadequados do ponto de vista de segurança”, afirmou.

De acordo com ele as normas de segurança da ABNT para transportes escolares deverão ser publicadas até o fim deste ano. A partir da publicação os demais órgãos deverão iniciar a adequação e publicação de regulamentação, que será implementada aos poucos a fim de não impactar negativamente o setor.

Com informações da assessoria do deputado Hugo Leal.

 

Redação PROS na Câmara

Sem tags