Líder do PROS é contra emenda que cria alternativa ao fator previdenciário

Para Domingos Neto, seria preciso ampliar a discussão antes de estabelecer novas regras.

14/05/2015 às 15:11:00 | 138 visualizações

Durante a votação, ontem em Plenário, da emenda à Medida Provisória 664/14, que dá alternativa ao trabalhador, na hora da aposentadoria, de aplicar a chamada regra 85/95 em vez do fator previdenciário, o líder do PROS, Domingos Neto (CE), afirmou que seria preciso ampliar a discussão sobre a questão antes de estabelecer qualquer nova regra.

Segundo o parlamentar, o tema deveria ser tratado em uma matéria específica e não como uma emenda à MP. “O grupo de trabalho já constituído por meio de decreto presidencial terá a missão de resolver questões relacionadas a isso. Vamos discutir com todos os lados, inclusive centrais sindicais e empregadores. O objetivo é resolver a questão do fim do fator previdenciário de maneira mais conversada e certamente em uma matéria específica”, explicou.

A emenda foi aprovada por 232 votos a 210. O autor da proposta, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), disse que a regra significa um avanço para o fim do fator. “O fator previdenciário reduz em 40% a aposentadoria dos trabalhadores e tem de acabar porque é uma grande injustiça”, afirmou.

A regra 85/95 permite que a mulher se aposente quando a soma de sua idade aos 30 anos de contribuição for de 85 e, no caso do homem, a soma da idade a 35 anos de contribuição somar 95. Com essa regra, a aposentadoria seria integral em relação ao salário de contribuição. Para os professores, haveria diminuição de 10 anos nesses totais.

Antes da votação, o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), pediu à base aliada para seguir o compromisso assumido pelo governo, por meio de negociações com o vice-presidente Michel Temer, de que o assunto será tratado em 180 dias por meio de uma comissão que reunirá representantes da sociedade, do governo e do Congresso. “Essa emenda não resolve por completo a questão, que é mais complexa e precisa ser discutida na busca de uma fórmula final”, afirmou.

Com informações da Agência Câmara. 

Redação PROS na Câmara

Sem tags