Carimbão repudia ameaça da oposição de acionar a Justiça caso mudança no superavit seja aprovada

Para o lí­der do PROS, a oposição, neste momento, usa argumentos regimentais como pano de fundo para não deixar a presidente Dilma Rousseff governar.

25/11/2014 às 12:00:00 | 170 visualizações

Na sessão do Congresso, o líder do PROS, deputado Givaldo Carimbão (AL), repudiou há pouco em Plenário a ameaça do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de travar uma batalha jurídica  caso seja aprovado o PLN 36/14,  que altera o cálculo do superavit primário ao permitir descontos sem limite dos gastos com desonerações e com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Para Carimbão, é legítimo e democrático questionar na Justiça o descumprimento do Regimento do Congresso, “mas dizer que vai à Justiça caso a maioria vote a favor da proposta do governo é desrespeitar a decisão dos representantes legitimamente eleitos pelo povo”. “Se a minoria perde tem que respeitar a decisão da maioria”, afirmou. Carimbão avaliou que a oposição, neste momento, usa argumentos regimentais como pano de fundo para não deixar a presidente Dilma Rousseff governar. “Curioso, porque quando foi para dar isenção de IPI para carros e linha branca, todos aprovaram com o objetivo de não gerar desemprego. Agora, a presidente pede ao Congresso que possa abater do superávit primário as obras do PAC para o Brasil não parar”, argumentou.

O líder avalia que, na atual conjuntura, é melhor o Congresso decidir por alterar as metas do superávit do que parar obras e comprometer a economia de todo o País. “É uma questão de consciência, e a Justiça não pode julgar decisões tomadas pela consciência de cada um dos parlamentares eleitos legitimamente”, disse.

Redação PROS na Câmara

Sem tags