Carimbão: "Acordo para retomar análise de projeto do superávit foi prudente"

O lí­der do PROS participou nesta quarta-feira da articulação com a oposição e a base governista para garantir a votação do PL 36/14 na Comissão Mista de Orçamento.

19/11/2014 às 12:00:00 | 202 visualizações

O líder do PROS, deputado Givaldo Carimbão (AL), avaliou como prudente o acordo firmado nesta quarta-feira pelos presidentes da Câmara e do Senado, Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros, com a base governista e a oposição para retomar a análise, na Comissão Mista de Orçamento (CMO), do projeto do Executivo que altera o cálculo do superavit primario deste ano (PLN 36/14).

Segundo o líder, o acordo não era bem visto pelos parlamentares da base, mas os presidentes das duas Casas do Congresso, juntamente com Carimbão e o relator da proposta, senador Romero Jucá (PMDB-RR), articularam pelo entendimento. Para Carimbão, “todos têm consciência de que a sessão de ontem [terça-feira] correu dentro do regimento”. A oposição, no entanto, alegou que, caso mantida a aprovação da matéria sem novos debates, recorreria à Justiça para derrubar a sessão. “Essa é uma questão política, não jurídica, recuar e buscar um acordo não é covardia, pelo contrário, é inteligência para que se avance”, avaliou.

Em razão do acordo, a CMO retomou a sessão para aprofundar os debates sobre o projeto. No debate, o líder ressaltou há pouco que, com o entendimento, vence a sociedade brasileira. "Não aprovar esse projeto comprometerá o crescimento do Brasil. Peço aos que têm compromisso com a governabilidade que votem sim ao relatório do senador Romero Jucá", defendeu. 

O texto discutido nesta quarta é o substitutivo Romero Jucá, que rejeitou as 80 emendas apresentadas por deputados e senadores. O projeto permite ao Executivo descontar do resultado primário todo o valor gasto no ano com obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e com as desonerações tributárias. Agora há pouco, a reunião foi encerrada sem que o projeto fosse votado. A CMO retoma a análise da proposta na próxima semana.

Redação PROS na Câmara

Sem tags