Em Seminário Internacional, Weliton Prado defende orçamento específico para luta contra o câncer

“É preciso garantir recursos para assegurar os direitos daqueles que têm câncer. Vamos lutar na Comissão do Orçamento por uma rubrica específica destinada ao enfrentamento do câncer para a saúde da mulher”, afirmou em discurso, deputado Weliton Prado

02/05/2022 às 10:58:24 | 264 visualizações

O deputado Weliton Prado (MG) participou, na quinta-feira (28), do Seminário Internacional Orçamento Mulher: Expandindo os Horizontes. O evento, promovido pela Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, teve como objetivo discutir a situação das mulheres e debater a implementação de políticas e a alocação e execução de recursos.

Durante o evento, o deputado Weliton Prado ressaltou a importância do debate sobre políticas e direitos das mulheres. O parlamentar alertou sobre a necessidade de um orçamento específico para o enfrentamento do câncer voltado para as mulheres.

“Vamos lutar na Comissão do Orçamento por uma rubrica específica destinada ao enfrentamento do câncer para a saúde da mulher”, afirmou.

O parlamentar, que preside a Comissão de Combate ao Câncer no Brasil (Cecancer), frisou que tem trabalhado para assegurar a melhoria das políticas públicas no combate ao câncer. Prado frisou, ainda, que o câncer de mama é o que mais mata mulheres no Brasil.

“Não temos uma política no país de diagnóstico precoce. Este câncer tem cura em 90% dos casos, só que mais de 30% são diagnosticados em uma situação mais avançada, já em metástase. Nos últimos vinte anos tínhamos medicação para salvar a vida dessas mulheres, como, por exemplo, a quimioterapia oral, que é a indicada para o câncer metastático, mas não ficaram disponibilizadas no SUS. Infelizmente pessoas foram tratadas com a quimioterapia convencional que acarreta um sofrimento muito grande e é uma medicação que não tem efeito”, alertou.

Participaram do seminário a economista sênior do Departamento de Assuntos Fiscais do Fundo Monetário Internacional (FMI) Virginia Alonso-Albarran; a defensora de Direitos Humanos do Coletivo Mahin professora Vilma Reis; e a secretária-executiva adjunta da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), Maria Cláudia Pulido; além de representantes da ONU Mulheres e do Centro Feminista de Estudos e Assessoria.

Redação PROS na Câmara