Weliton Prado cobra acesso a tratamento de ponta no SUS

“É preciso garantir os direitos de todos e fazer valer o Estatuto do Paciente com Câncer, que aprovamos depois de muita luta”, afirmou o deputado e presidente da Cecâncer, Weliton Prado.

19/11/2021 às 14:53:57 | 256 visualizações

O deputado e presidente da Comissão Especial de Combate ao Câncer (Cecâncer) da Câmara dos Deputados, Weliton Prado, debateu, na quarta-feira (17), os 10 anos da Campanha Novembro Azul no Brasil, data em que se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

Implantada no país pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida, movimento da sociedade civil em defesa dos pacientes oncológicos, o Novembro Azul tem o objetivo de conscientizar os homens a respeito da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

“Percebo que a ausência dessas ferramentas e terapias para enfrentar o câncer no SUS é pelos altos custos. Não é possível que os mais pobres não tenham acesso a um tratamento digno por falta de recursos. É preciso garantir os direitos de todos e fazer valer o Estatuto do Paciente com Câncer, que aprovamos depois de muita luta”, afirmou o deputado.

O deputado cobrou a inclusão de medicamentos modernos e tratamentos de ponta na rede pública, como a cirurgia robótica, já utilizado na rede privada, com benefícios comprovados.

O debate ressaltou, ainda, quatro fatores de destaque: o tabu para os exames preventivos, a negligência dos homens para realização de check-up preventivo, o diagnóstico tardio que dificulta a cura do câncer e a ausências de tratamentos avançados no Sistema Único de Saúde (SUS).

Para o Instituto Lado a Lado Pela Vida, o Novembro Azul tem sido uma campanha importante para a prevenção e conscientização da população e ação de destaque para mudar as estatísticas da doença no Brasil. O câncer de próstata é responsável por 29% dos diagnósticos oncológicos no Brasil. É o segundo tipo mais comum entre homens e mata 16 mil pessoas por ano, ou seja, um homem a cada 38 minutos, segundo o Inca.

Com informações da assessoria do parlamentar.

Redação PROS na Câmara