CSSF aprova projeto que assegura realização de mamografia em unidades móveis

“Sabe-se que a prevenção é o melhor caminho, especialmente porque o câncer é uma doença devastadora e quanto mais cedo é descoberto, mais altas são as chances de sucesso no tratamento e na cura”, explica um dos autores da proposta, deputado Weliton Prado.

09/09/2021 às 10:06:47 | 218 visualizações

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou, nesta quarta-feira (8), o Projeto de Lei 7004/17, que assegura a realização de exame mamográfico em unidades móveis. A proposta, de autoria também do deputado Weliton Prado (MG), tem como objetivo disponibilizar às mulheres ações de saúde que assegurem a prevenção, a detecção e o tratamento precoce do câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS).

“Sabe-se que a prevenção é o melhor caminho, especialmente porque o câncer é uma doença devastadora e quanto mais cedo é descoberto, mais altas são as chances de sucesso no tratamento e na cura. Além da importância do autoexame e da observação das mudanças no corpo para a prevenção da doença, o exame de mamografia tem sido fundamental para identificar a doença inicialmente. Mas, para isso, é preciso que as mulheres a partir dos 40 anos tenham acesso anual ao exame de mamografia, como recomenda a Sociedade Brasileira de Mastologia”, explica o autor.

Segundo dados do projeto, o câncer de mama é o tipo mais comum, e o que mais mata, entre as mulheres no mundo. No Brasil, corresponde a 28% dos novos casos de câncer anualmente, com mais de 14 mil mortes anuais. Se detectada em fases iniciais, a chance de cura aumenta de forma significativa, o que justifica a realização de monitoramento eficaz e frequente.

Mamografia

A mamografia, exame de imagem que utiliza raios-X de baixa intensidade, consegue detectar, em grande parte dos casos, lesões precoces. Já foi comprovado por meio de estudos que seu uso consegue reduzir a mortalidade pelo câncer de mama.

“O exame de mamografia tem sido fundamental para identificar a doença inicialmente. Contudo, percebemos que em muitos municípios o sistema público de saúde está funcionando de forma precária, com déficit de ambulâncias, equipamentos e aparelhos para realização de exames, além da suspensão e demora no agendamento de consultas”, argumenta o deputado.

O projeto segue para análise das comissões de Finanças e Tributação (CFT) e Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).

Redação PROS na Câmara