Capitão Wagner é contra o distritão

“Pensando nas novas lideranças, no processo cada vez mais democrático e na evolução da democracia do nosso país, a gente tem esse posicionamento contrário, respeitando, repito, todos aqueles que pensam diferente”, afirma o parlamentar.

05/08/2021 às 09:50:27 | 235 visualizações

Em reunião da comissão especial que analisa as mudanças nas regras eleitorais (PEC 125/11), nessa quarta-feira (4), o líder do bloco PROS, PSC e PTB, deputado Capitão Wagner (PROS-CE), afirmou ser contra a adoção do chamado “distritão” como sistema para a eleição de deputados federais e estaduais nas eleições de 2022.

Pelo distritão, elege-se o candidato mais votado, diferentemente do atual sistema proporcional, que também leva em consideração os votos dados aos partidos.

Capitão Wagner frisou respeitar posicionamentos diferentes e ressaltou a importância do debate. Para o parlamentar, a adoção desse sistema eleitoral não contribui para o surgimento de novas lideranças.

“Aprovar o distritão pode impossibilitar que novas lideranças surjam na esfera municipal, estadual e federal. Nosso posicionamento é de que essa discussão repentina, quando diversos outros temas estão sendo discutidos e são de interesse da população, como a reforma tributária, a própria reforma administrativa e a questão da pandemia, nos constrange. Nosso posicionamento é contrário a aprovação do distritão desta forma. É preciso mais debate”, explica Capitão Wagner.

Para o líder, é preciso fortalecer os partidos políticos e aprofundar a discussão de outros pontos da reforma política.

“Temos que discutir com mais profundidade a questão da participação feminina e mecanismos que possam fortalecer os partidos. Sem dúvida, o distritão enfraquece os partidos. As pessoas irão se candidatar conforme a conveniência, os partidos vão priorizar os recursos para quem já tem mandato e isso vai inviabilizar ou tornar muito mais difícil o acesso ao mandato eletivo para as novas lideranças”, destaca o parlamentar.

Capitão Wagner concluiu destacando a importância da democracia para o país.

“Pensando nas novas lideranças, no processo cada vez mais democrático e na evolução da democracia do nosso país, a gente tem esse posicionamento contrário, respeitando, repito, todos aqueles que pensam diferente”.

O texto original do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) tratava apenas do adiamento das eleições em datas próximas a feriados, mas a relatora, deputada Renata Abreu (PODE-SP), ampliou os temas abordados, tratando, por exemplo, de sistema eleitoral, fidelidade partidária, democracia direta e incentivo à participação feminina na política.

A votação do relatório foi novamente adiada, no início da madrugada desta quinta-feira (5). Uma nova tentativa de votar a proposta deve ser feita na tarde de hoje.

Redação PROS na Câmara