Acácio Favacho solicita para governo do Amapá linha de crédito especial para empreendedores formais e informais

O deputado federal Acácio Favacho preocupado com o impacto do fechamento dos estabelecimentos devido ao estado de calamidade por conta do coronavírus encaminhou ofício para o governador do Amapá sugerindo uma linha de crédito. “Infelizmente, as previsões dão conta de uma série de possíveis falências, perda de ganhos e, por conseguinte, um grande número de demissões. É importante ressaltar, a grande importância que representa essas categorias, na geração de empregos e renda Brasil, o que não é diferente aqui em nosso estado”, explica o deputado.

22/03/2020 às 14:12:51 | Atualizada em 22/03/2020 às 17:10:59 | 265 visualizações

O Líder do PROS, deputado federal Acácio Favacho (AP), encaminhou neste domingo (22) ofício solicitando ao governador do Amapá, Waldez Góes, uma linha de crédito especial, com juros e prazos excepcionais, para empreendedores, devido a pandemia do coronavírus.

“Infelizmente, as previsões dão conta de uma série de possíveis falências, perda de ganhos e, por conseguinte, um grande número de demissões. É importante ressaltar, a grande importância que representa essas categorias, na geração de empregos e renda Brasil, o que não é diferente aqui em nosso estado. Precisamos buscar os meios necessários para manter os seus empreendimentos funcionando e principalmente, garantindo a manutenção de empregos e renda”, explica o deputado.

Favacho sugeriu a criação por meio da Agência de Fomento do Amapá (AFAP) uma linha de crédito especial, com juros e prazos excepcionais, para empreendedores. O parlamentar entende que as falências e perdas de ganhos serão grandes para os bares, restaurantes, salões de beleza, academias, escolinhas de futebol, mototaxistas, vendedores ambulantes, feirantes e para outros setores do empreendedorismo.

“Neste momento solidarizo com os empreendedores informais e formais do nosso Estado, precisamos nos antecipar aos problemas que virão por conta da crise do coronavírus. Infelizmente, essa situação acarretará em um aumento no desemprego no Amapá. Esses empreendedores são os responsáveis por mais de 60% da geração de empregos do nosso Estado, precisamos resguardá-los”, explica o deputado.

Redação PROS na Câmara