Eros Biondini debate em comissão a liberação de medicamentos à base de cannabis

“A discussão é de extrema importância. Precisamos pensar nas crianças portadoras de enfermidades que precisam dos medicamentos, mas também é preciso ter cuidado com o descontrole e com o aumento da criminalidade que ocorrem em países em que o medicamento foi liberado”, explica o deputado.

26/11/2019 às 19:38:35 | 82 visualizações


O deputado federal Eros Biondini (MG) participou, nesta terça-feira (26), de audiência pública da Comissão Especial que debate a liberação de medicamentos à base de cannabis (PL 399/15). A comissão é destinada a dar parecer ao projeto de lei que viabiliza a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta cannabis sativa em sua formulação.

Para o parlamentar, o debate precisa se dar de forma respeitosa e muito consciente. Segundo Biondini, é preciso encontrar uma forma de regulamentar o plantio do medicamento.

Eu sou ex-usuário de maconha, e, infelizmente, perdi um amigo usuário em um acidente de trânsito. Então, realmente acontecem mortes por conta do uso da maconha, e temos outros casos de suicídios de usuários exclusivos de maconha. Em contrapartida, sou defensor sobretudo das crianças que tem problemas de saúde, doenças raras, e que as medicações convencionais não atingem com eficácia o tratamento. Porém, também precisamos zelar pelas outras pessoas que não tem o controle do uso da maconha. É difícil avaliar o plantio que é para uso medicinal e o que é para recreativo, e infelizmente até de venda”, explica o deputado.

O parlamentar contou que cinco dos seus assessores são ex-dependente de crack e que iniciaram seus usos pela maconha. “A porta de entrada para o mundo das drogas foi a maconha, no caso dos meus assessores. Temos a preocupação de que com a legislação flexibilizando o plantio particular de cannabis, nós tenhamos um descontrole e abra-se uma porta para o consumo exagerado e perigoso por parte dos nossos adolescentes e dos nossos jovens. O debate é importante e o discurso é justo, mas devemos ter cuidado com o descontrole e com o aumento da criminalidade que ocorrem em países em que há a liberação da cannabis”, afirma o deputado.     

Também participaram do debate o ministro da Cidadania Osmar Terra; o médico cirurgião, oncológico e mastologista Leandro Ramires; o médico membro da Diretoria Técnico-Científica das Associações Cultive e Acolher e membro da Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis Pedro Mello; e o diretor da Associação Reconstruir Cannabis Medicinal Felipe Farias.

Redação PROS na Câmara