Capitão Wagner debate com Moro alternativas para os problemas de segurança do Ceará

“O ministro garantiu que todo o monitoramento e serviço de inteligência estão sendo feitos pela Polícia Federal. A parte da inteligência e as operações surtiram efeitos e já conseguiram identificar os mandantes das ações terroristas que estavam em presídios, inclusive, fora do estado do Ceará”, afirma o deputado.

27/09/2019 às 15:05:12 | Atualizada em 27/09/2019 às 16:03:25 | 283 visualizações

Em conversa com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, o deputado federal Capitão Wagner (CE) discutiu alternativas para solucionar os problemas de segurança pública enfrentados pelo Ceará nos últimos dias. Segundo o parlamentar, o auxílio prestado pela Polícia Federal já trouxe resultados para o estado.

“O ministro garantiu que todo o monitoramento e serviço de inteligência estão sendo feitos pela Polícia Federal. A parte da inteligência e as operações surtiram efeitos e já conseguiram identificar os mandantes das ações terroristas que estavam em presídios, inclusive, fora do estado do Ceará”, afirma Capitão Wagner.

O parlamentar ressaltou que a conversa foi produtiva e que o ministro se mostrou favorável ao envio do reforço operacional por meio de efetivo da Força Nacional, no entanto Moro informou que ainda não há pedido oficial do governador Camilo Santana para o envio das tropas.

“O monitoramento e o trabalho de inteligência serão mantidos pela Polícia Federal. Cobramos, além disso, o envio de tropas da Força Nacional, mas o ministro nos relatou que ainda não há o pedido formal por parte do governador Camilo Santana. Esse pedido é necessário para que seja avaliada a vinda da Força Nacional para o Ceará. De qualquer forma, a tendência é que a situação possa ser normalizada o quanto antes”, explica o deputado.  

Violência no Ceará
Segundo o jornal O Povo, nesta sexta-feira (27) foram cumpridos 27  mandados de prisão contra integrantes da facção criminosa responsável por ataques no estado. Durante a manhã, 15 pessoas foram capturadas, incluindo cinco adolescentes. Em janeiro de 2019, o Ceará foi alvo de ações de facções criminosas. A onda de violência só foi debelada com ajuda do Governo Federal, que enviou tropas da Força Nacional.

Redação PROS na Câmara