Projeto de Felipe Bornier proíbe taxa de acompanhante na hora do parto

Atualmente, as maternidades privadas cobram para que um acompanhante permaneça na sala de parto.

08/05/2018 às 18:43:12 | 158 visualizações

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 1480/11, de autoria do deputado Felipe Bornier (PROS-RJ), que proíbe a cobrança de taxas para que um acompanhante assista ao parto em maternidades privadas.

“Estas taxas costumam ser cobradas a título de higienização, esterilização, entre outras, para que a pessoa possa se paramentar de maneira adequada para adentrar o local onde se dará o parto. Evidentemente, a cobrança dos demais procedimentos não será afetada”, explica o autor da proposta.

De acordo com Felipe Bornier, os custos para a unidade hospitalar são irrisórios diante da importante contribuição do acompanhante durante o procedimento obstétrico.

“Diante do que representa o acompanhante no momento do parto e em sua contribuição para o sucesso do procedimento pela tranquilidade que traz à parturiente, é plenamente compreensível que estes custos, irrisórios, ao nosso ver, não sejam cobrados. Além disto, estabelecemos um limite máximo de uma pessoa acompanhando cada parto”, defende Felipe Bornier.

A proposta prevê ainda punição pelo descumprimento da medida, conforme penas no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8078/90).

Tramitação

O PL 1480/11 já foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social e Família e agora está pronto para ser votado na Comissão de Constituição e Justiça. Como tramita conclusivamente, caso aprovado, seguirá para revisão do Senado Federal.

Redação PROS na Câmara

Sem tags