Weliton Prado critica gestão da água pela Copasa e diz que consumidor está sendo prejudicado em Minas

O deputado lembrou ainda da audiência pública em Paracatu (MG) para discutir a crise hídrica no município.

19/09/2017 às 16:43:03 | 112 visualizações

O deputado Weliton Prado (Pros-MG) disse nesta terça-feira (19), durante audiência pública em que se debateu as ações realizadas no combate à seca no norte do estado de Minas Gerais, que a seca não é a principal e nem única responsável pelo problema de desabastecimento e crise hídrica pelo qual passam esses municípios mineiros.

O parlamentar criticou o descumprimento pela Copasa, Companhia de Saneamento de Minas Gerais, da Lei 11.445/17 (Política Nacional de Saneamento Básico), que determina a exigência de plano de saneamento básico durante o contrato de prestação de serviço público.

“A grande vilã em relação ao meio ambiente em Minas Gerais é a Copasa. Não temos um plano de preservação de mananciais e nascentes; não há plano estadual de saneamento básico; e não há coleta e tratamento adequados de esgoto, mesmo com cobranças, muitas vezes, indevidas ao consumidor. A Copasa não cumpre o que determina a legislação”, disse Weliton Prado.

De acordo com Weliton Prado, além da falta de planos preventivos, a Copasa desrespeita os consumidores ao repassar aumento sem, no entanto, oferecer uma contrapartida responsável quanto aos recursos hídricos do estado.

“A Copasa deveria suspender o aumento da tarifa de água. Um aumento médio de 10,82%. E gostaria ainda de falar sobre um ponto específico: Montes Claros (MG). Lá foi constatado que cerca de 40% da água não chega aos consumidores, porque ela se perde em tubulações antigas e que não recebem manutenção adequada”, afirmou Weliton Prado.

Audiência em Paracatu

No início do mês, o parlamentar conseguiu por unanimidade aprovação de requerimento conjunto, com a Comissão Externa da Câmara que analisa a Situação Hídrica dos Municípios de Minas Gerais, para a realização de audiência pública com a finalidade de discutir a crise hídrica no município mineiro de Paracatu.

“Nem de longe a culpa pela escassez de água é da seca, mas, sem dúvida alguma, da Copasa, pela falta de gestão dos recursos hídricos e pela política voltada apenas para receber do consumidor, sem oferecer a devida contrapartida”, finalizou.

Ainda não há data definida para a realização do evento na cidade mineira de Paracatu.

 

Redação PROS na Câmara

Sem tags