George Hilton comenta desafios do Mercosul em artigo que comemora os 10 anos do Parlasul

“Nosso desafio hoje é evoluir para integração social, cultural e política”, afirma Hilton.

06/12/2016 às 17:35:00 | Atualizada em 06/12/2016 às 17:46:00 | 38 visualizações

Passaram 10 anos desde a criação do Parlamento do Mercosul, o Parlasul, constituído no dia 6 de dezembro de 2006, substituindo a Comissão Parlamentar Conjunta, e transformando-se no órgão máximo representativo dos interesses dos cidadãos dos Estados membros.

Na edição de 10 anos da revista Parlasul, o deputado George Hilton (Pros-MG) publicou artigo na coluna “Opinión Parlamentaria” em que parabeniza o Parlamento, especialmente, “pelos trabalhos dedicados ao nosso continente, a nossa economia, a nossa gente, à América do Sul”.

George Hilton defendeu a integração do Bloco. “E durante estes dez anos, fui enfático em afirmar que os governos passam, mas a integração deve permanecer e este Parlamento tem papel fundamental para que a agenda da integração regional prevaleça sobre as agendas nacionais”, disse.

De acordo com Hilton, o Mercosul possui outros desafios, além da abertura comercial, os quais devem ser enfrentados com diálogo. “Nosso desafio hoje é evoluir para integração social, cultural e política. É dentro do Parlamento do Mercosul que combatemos as insuficiências do bloco, que em seus primórdios estavam concentrados na abertura comercial e econômica, e passamos a tratar, também, do bem-estar do povo”, afirmou Hilton.

Combate ao crime

Em missão oficial na cidade de Montevidéu, Uruguai, entre os dias 30 de novembro e 02 de dezembro, o deputado George Hilton (Pros-MG) representou o Brasil na última sessão do Parlamento do Mercosul (Parlasul), ocorrida na quinta-feira (1º).

O parlamentar participou de votação na Comissão de Assuntos Internacionais, Interregionais e de Planejamento Estratégico de recomendação ao Conselho do Mercado Comum (CMC) para a criação de um grupo de trabalho no Programa para Negociação, Elaboração e Celebração do Protocolo do Mercosul para a aplicação da Convenção das Nações Unidas sobre o Crime Organizado Transnacional e seus Protocolos Complementares.

Histórico

Hilton é titular do Parlasul desde a sua criação, em 2007, estando ausente somente no período em que se licenciou da Câmara dos Deputados para exercer o cargo de ministro do Esporte, em 2015. O parlamentar foi um dos fundadores da representação e um dos organizadores do regimento interno da entidade. George Hilton também foi vice-presidente da representação brasileira do Parlasul no Congresso Nacional.

Confira o artigo abaixo:

GEORGE HILTON - Parlamentar da Delegação do Brasil

Desde a sua criação, de forma oficial, a partir do tratado de Assunção, em 1991, o MERCOSUL tem como característica principal estabelecer a integração econômica entre os países-membros originalmente composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, e posteriormente com adesão da Venezuela, em 2012. Hoje, os demais países da América do Sul fazem parte do bloco, mesmo que como Estados Associados do MERCOSUL.

Mas, não é sobre a formação deste importante bloco ou de sua composição que quero falar aqui. E sim da transformação que ele sofreu com o passar dos anos, principalmente com a criação do Parlamento do MERCOSUL, que neste mês de dezembro completa dez anos de existência. Como citei no início do texto, o MERCOSUL sempre teve uma preocupação econômica, que em seu início visava uma estrutura comercial comum entre os países que dele faziam parte. Ocorre, que com o passar dos anos, as preocupações do bloco extrapolaram os interesses econômicos e passaram, também, para as questões políticas e sociais dos membros componentes.

E o Parlamento do MERCOSUL – também conhecido por PARLASUL – tem papel preponderante na forma com que a integração regional passou a ser trabalhada dentro do bloco. Como uma oportunidade para que os países do continente somassem forças para integrar a economia mundial com mais vantagens, reduzindo as assimetrias em escala mundial e em busca da aceleração do desenvolvimento local.

E foi além, ao implementar uma política que transcende os interesses imediatos e variáveis dos mercados. O PARLASUL sempre esteve preocupado com a criação de uma cidadania comum, sendo peça chave para a consolidação desse bloco regional. Tenho grande orgulho em poder dizer que faço parte deste Parlamento desde a sua criação, sendo titular ainda na fase embrionária. Tendo feito parte do grupo de fundadores da representação e um dos organizadores do regimento interno da entidade. Meu único período ausente, em 2015, ocorreu pelo fato de estar à frente do Ministério do Esporte de meu país para a organização dos Jogos Olímpicos no Brasil.

E durante estes dez anos, fui enfático em afirmar que os governos passam, mas a integração deve permanecer e este Parlamento tem papel fundamental para que a agenda da integração regional prevaleça sobre as agendas nacionais. O objetivo aqui é termos mecanismos que fortaleçam o nosso bloco e a gente consiga diminuir as diferenças que existem entre um país e outro, com o intuito de promover o desenvolvimento da região. As relações comerciais entre os nossos países já são intensas.

Nosso desafio hoje é evoluir para integração social, cultural e política. É dentro do Parlamento do MERCOSUL que combatemos as insuficiências do bloco, que em seus primórdios estavam concentrados na abertura comercial e econômica, e passamos a tratar, também, do bem-estar do povo. É onde apresentamos as necessidades de nossa gente e conhecemos a de nossos vizinhos, e buscamos as melhores decisões, pensando no melhor para os nossos cidadãos.

Parabéns Parlamento do MERCOSUL, por esses dez anos de trabalhos dedicados ao nosso continente, a nossa economia, a nossa gente, à América do Sul.

Com informações da assessoria de comunicação do deputado.

 

Redação PROS na Câmara

Sem tags