Bosco Costa discute previdência, diz que sistema de transporte de cargas está falido e critica gestores pelo mau uso do dinheiro público

“Infelizmente, o sistema de transporte rodoviário de cargas está na UTI”, disse Bosco Costa

01/09/2016 às 16:35:00 | 334 visualizações

O deputado Bosco Costa (Pros-SE) voltou a destacar o sistema rodoviário de cargas em discurso nesta quinta-feira (1) no Grande Expediente da Câmara dos Deputados. Para o parlamentar, medidas urgentes devem ser tomadas, pois “o sistema está falido e pode parar a qualquer momento”.

Ontem (31), Bosco Costa havia feito discurso em que criticava a ausência de ações na solução de problemas pontuais no sistema de transportes de cargas. Em participação no XVI Seminário Brasileiro do Transporte Rodoviário de Cargas, o deputado cobrou empenho das autoridades para tirar o setor da falência.

No início do discurso de hoje, o parlamentar fez um balanço do processo que levou ao impeachment a ex-presidente da República, Dilma Rousseff. “Ontem, assistimos o impedimento de Dilma. Eu não estava aqui na Casa quando se deu o julgamento, mas se estivesse também participaria como parlamentar. O que posso dizer é que o povo brasileiro não merece passar por esse momento turbulento. Estas duas casas, Câmara e Senado, devem procurar fazer, o mais breve possível, as reformas das quais o País necessita”, disse.

Previdência Social

Outro ponto destacado por Bosco durante o discurso foi a crise na Previdência Social. Para o deputado, estados e municípios devem ter responsabilidade na gestão do dinheiro público. “Hoje assistimos estados falidos, que não asseguram reajuste a servidores, dificultam a realização de novos concursos e, ainda nesse contexto, estão com déficit em seus sistemas previdenciários. Os governos não tiveram o devido cuidado com a previdência. Esse sistema é viável, desde que tenham responsabilidade com os recursos públicos”, afirmou.

Subsídios

Sobre o transporte rodoviário de cargas, o congressista diz que não se comporta como um pessimista, mas afirma que o setor precisa, urgentemente, de ações que subsidiem o setor para que saia da falência. De acordo com Bosco, a situação é crítica e “com muita preocupação” transmite essa mensagem.

Bosco Costa citou ainda os subsídios dados para combustíveis. De acordo com ele, essas políticas estão voltadas, especificamente, para a gasolina, enquanto o óleo diesel, usando no transporte rodoviário de cargas é esquecido. “Quando se fala em combustível se fala em gasolina, mas esquecemos de citar o óleo diesel, que faz bem menos quilômetros do que a gasolina. O diesel é quatro vezes mais caro, onerando muitos os trabalhadores do setor”, disse.

UTI

Novamente, Bosco Costa fez duras críticas à falta de ações que tirem o setor do transporte de cargas da completa falência, afirmando que o sistema está parado, como um enfermo em um hospital. “Quem vive do agronegócio sabe perfeitamente muito bem as dificuldades que enfrentam, os prejuízos que tem por falta de estrutura, por falta de escoamento da produção, gerando milhões de prejuízos”, argumentou.

Credibilidade

O quadro crítico no qual o parlamento vive também foi mencionado pelo parlamentar. “Essa falta de credibilidade da classe política é um fato que temos que nos preocupar. A rejeição da classe política é assustadora, justamente por falta de compromisso de alguns, que buscam o mandato por benefício pessoal. Não há problema em político ter interesse pessoal, claro, mas deve ter como prioridade em suas ações a população”, concluiu.

Redação PROS na Câmara

Sem tags