Deputado Ronaldo Fonseca lança na Câmara campanha “Pare de dirigir teclando”

A campanha, cuja mensagem é um alerta para a redução de acidentes de trânsito no País, conta com o apoio de vários clubes de motociclistas do Distrito Federal, além de entidades representativas do setor.

08/06/2016 às 18:50:00 | 80 visualizações

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Motociclistas na Câmara, o deputado Ronaldo Fonseca (DF), líder do Pros, lançou a campanha “Pare de dirigir teclando!” nesta quarta-feira (8) na Câmara dos Deputados.

A campanha, cuja mensagem é um alerta para a redução de acidentes de trânsito no País, conta com o apoio de vários clubes de motociclistas do Distrito Federal, além de entidades representativas do setor.   

Homenagem

Ronaldo Fonseca comentou a recente manifestação, realizada por motociclistas do Distrito Federal, em homenagem ao servidor público Antonio Eduardo da Silva Mendes, de 52 anos, morto no domingo (22) ao ter a moto atingida por um veículo em uma avenida do Sudoeste, em Brasília. Testemunhas afirmam que a motorista do veículo digitava ao celular no momento do acidente.

Dados

“Em 2015, 12 mil pessoas morreram em acidentes envolvendo motocicletas. Houve um aumento de 280% na última década. Acidentes com moto são responsáveis pelo aumento de 115% no número de internações em hospitais públicos. Essas internações custam cerca de 30 milhões por ano para o SUS. São [aproximadamente] 23 milhões de motos circulando, representando 28% do total de todos os veículos no Brasil”, destacou Fonseca.

O Código de Trânsito Brasileiro prevê que dirigir falando no telefone celular é uma infração média, passível de multa e perda de 5 pontos na carteira. Mas, a partir de 5 de novembro deste ano, a infração passará a ser gravíssima e terá valor reajustado.

Segundo o governo dos Estados Unidos, onde 1,6 milhão de acidentes ocorrerem pelo uso do celular e provoca a morte de 11 adolescentes todos os dias, o risco de mandar mensagem ao volante é equivalente a dirigir depois de tomar quatro cervejas.

Dados obtidos da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e consolidados com as informações do Instituto Médico Legal (IML) e da Secretaria de Saúde mostram que o número de mortes envolvendo motocicletas vem aumentando nos últimos anos. Em 2014, por exemplo, 120 motocicletas estiveram envolvidas em acidentes com morte no Distrito Federal.  

Redação PROS na Câmara

Sem tags