"Nós matamos como em uma guerra", diz deputado Eros Biondini

Nós ficamos chocados com o número de mortes na Síria. E aqui, nós temos 60 mil mortes por ano

04/04/2016 às 12:57:00 | 636 visualizações

Tornar obrigatória a criação de gabinetes de gestão integrada de segurança pública nos municípios e a divulgação de dados ligados à atuação das polícias. Essas novidades foram anunciadas em audiência pública na Câmara, na terça-feira (30), e devem fazer parte do relatório final da comissão especial de deputados que analisa propostas para enfrentar a violência contra jovens negros e pobres no País (PL 2438/15).

As medidas foram sugeridas por representantes de entidades policiais, que participaram de debate sobre a proposta de criação de um Plano Nacional de Enfrentamento ao Homicídio de Jovens, que tem como meta de reduzir a um terço as mortes violentas nos próximos dez anos – ou seja, passar dos atuais 30 assassinatos a cada 100 mil habitantes, em média, para nove em cada 100 mil habitantes.

O deputado Eros Biondini (Pros-MG) fez questão de reiterar os elogios a parlamentares da Comissão Especial (PL 2438/15) ao se referir ao Plano Nacional de Enfrentamento aos Homicídios de Jovens Negros, que consta em relatório da CPI da Violência contra Jovens Negros e Pobres, aprovado no ano passado.

“Acredito que, além dos trabalhos desenvolvidos na CPI, que apurou a violência contra jovens e negros no País, essa audiência pública, sobretudo ouvindo especialistas da área, possibilitará a todos que apresentemos, com mais respaldo, nossas conclusões, que serão trazidas ao plenário desse colegiado em momento oportuno”, disse Biondini.

Para finalizar, o parlamentar lembrou ainda que a violência cometida contra esse grupo provoca mais mortes que atual guerra na Síria. “Nós ficamos chocados com o número de mortes na Síria. E aqui, nós temos 60 mil mortes por ano, ou seja, isso precisa ser discutido realmente, inclusive, com uma nova guinada na política”, concluiu Biondini.

Redação PROS na Câmara

Sem tags